O Gato Subiu no Telhado

December 6, 2018

Você gosta de seu emprego, está adaptado com a sua rotina de trabalho e, intimamente, sente-se alinhado com os valores e propósitos da empresa. Seu ambiente profissional é, de certo modo, agradável, e os stakeholders são competentes e muito solícitos. Seus ganhos não são nenhuma fortuna, mas são suficientes para seu sustento e de sua família, provendo-lhe condições dignas de subsistência e lazer.

Agora pense em tudo isso e responda: o quanto você está preparado para que tudo isso sofra uma ruptura?

Pode chamar de perder o emprego, ser demitido ou ter seu desligamento requerido, não importa. O que é relevante nessa discussão é o quanto você se sente dono da posição que exerce e o quanto faz jus a esse cargo para torna-lo imprescindível no quadro de colaboradores.

Se a praga de uma demissão acontece, quando essa larvinha venenosa da vida profissional começou a ser gerida? Em qual instante foi o start para que, nesse momento seu posto tenha sofrido um colapso?

Saiba que na maioria esmagadora dos casos o processo de demissão acontece muito tempo antes da notícia formal e que, em quase todos os casos, o trabalhador ou está cego demais para perceber a evolução dos fatos ou prefere fingir que está tudo bem e ir responsabilizando os outros pelos infortúnios.

Alguém que esteja engajado e atento ao clima organizacional (não apenas aos indicadores comportamentais, como também àquelas mensagens subliminares e até mesmo as emoções conferidas nas conversas informais), vai percebendo ao longo do tempo que as coisas começam, lentamente, a sair dos trilhos, e que caminham a passos certeiros para o fim trágico.

Feedbacks corretivos em demasia e elogios escassos. Diminuição de demanda e de responsabilidades. Troca constante de cargos e funções. Isolamento e desprezo crescentes. Enfim...quando esse alguém percebe que a angústia e a ansiedade aumentam no mesmo ritmo que esses indicadores, pode ter certeza que, aquela conversa de cinco minutinhos terá, como pauta, o seu desligamento.

É justo que o colaborador saiba da existência desses indicadores paralelos para sua plenitude diária e é honesto que a firma dê todas as pistas desse desenvolvimento para que, demonstrando maturidade como empresa, ao comunicar o rompimento do contrato do funcionário, a conversa não se torne nem uma pauta bomba e nem a reunião seja uma oportunidade para se ‘lavar a roupa suja.’

Mas quando isso acontece, é sinal que a empresa em nenhum momento teve a preocupação (“pré”+”ocupação”) em resgatar o filho pródigo que andou pelo mundo gastando o dinheiro de seu parte da herança, renegando seu amor quando quis voltar para casa. As diretorias e gerencias apenas agiram com crueldade esperando o momento do abate verticalizado que apenas quem exerce o papel de chefe é capaz de fazer. Nunca um líder. O demissionário também tem sua parcela de responsabilidade por não ter se empenhado e atuado no sentido de se auto resgatar durante as tormentas, preferindo o limbo da zona de conforto, a estagnação da empáfia (achando que isso nunca vai acontecer com ele) e a procrastinação como matriz de comportamento.

Organizações que olham para seus colaboradores como capitais humanos (e não como recursos!), estão a disposição e se disponibilizam para o desenvolvimento de suas equipes, promovendo crescimento e ações constantes de alinhamento de valores.

Profissionais que olham as organizações como parceiros de cocriação, tem responsabilidades e assumem o engajamento como combustível inerente ao seu comportamento, gerenciando suas carreiras para o benefício de todos.

Essas características não garantem a diminuição de turnover e nem ratificam uma estabilidade empregatícia, apenas melhoram e muito o nível de respeito entre as partes. E ter relações baseadas no respeito é o que faz as empresas valerem a pena, ter pessoas em suas estruturas.

Mas, se você ainda se assusta com a possibilidade de demissão, saiba que o que anda faltando em sua vida é ter mais autoconhecimento para reconhecimento dos sinais do ambiente para, assim, saber exatamente por onde anda seu gato.

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Como ter sucesso no vestibular sem surtar

October 21, 2019

1/10
Please reload

Posts Recentes

June 24, 2019

May 15, 2019

May 8, 2019

April 24, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga
  • Instagram Social Icon
  • Facebook Basic Square

©2017 por Newton Camargo Jr.