Não há para raio contra o que vem de baixo

January 16, 2019

Nem todo mundo será bom pra você!

Essa é uma verdade clara e transparente no limite da definição.

Existem pessoas de seu convívio, que estão aí ao seu lado na empresa, no bar ou na sala de TV que realmente não querem que você cresça. São invejosas, limitadas e carregam em si uma angústia de uma vida de frustrações do tamanho do universo.

Tiveram seus sonhos arrancados pelas próprias decisões equivocadas, calcadas na procrastinação, na desonestidade e na preguiça.

São pessoas que ouvem as estrelas conspirando contra elas e que até são vigiadas pelas plantas do jardim.

São tóxicas!

Seria muito bonito falar de um mundo perfeito onde habitam pessoas colaborativas e fiéis que sempre se espelharão na força de vontade dos outros para atingirem suas metas individuais. O prazer de versar sobre uma totalidade da população que luta com suas próprias forças para crescer e ver uma sociedade mais justa seria imenso. Mas, infelizmente, estamos inseridos em um mundo recheado de seres individualistas e circunstanciais, que atuam como sanguessugas na sua vida. Na minha visão, são como uvas-passas no panetone (e eu odeio uva passa!!!), é até bonito de ver, mas roubam o sabor e deixam um paladar continuamente esquisito na boca.

Acontece que não se pode simplesmente eliminar (no sentido metafórico, para deixar bem claro) essas pessoas de sua vida. Às vezes, mudamos de casa ou de bairro se o coisa ruim for seu vizinho, mudamos de emprego se o fidumamãe for seu supervisor ou colega, mudamos de relacionamento se o companheiro/a for um entojo.

Mas nem sempre temos dinheiro para uma nova e humilde residência, nem sempre (pela “crise”) temos a chance de uma recolocação profissional, e às vezes amamos nosso relacionamento e, como todos sabem, o amor é um sentimento mais forte que cola bastão, como diria minha filha...

Na grande maioria dos casos, não podemos ou não conseguimos nos livrar desses infortúnios pessoais, e acabamos por ter que conviver com tais ervas daninhas.

O que fazer, então quando percebemos a presença deles?

Bom, se não puder mudar, sair da empresa ou romper o namoro...nada!

Não faça nada.

Apenas continue o seu caminho, pois não adianta querermos mudar as atitudes de alguém que não se permite dar um passo em direção a evolução. Essas pessoas tem problemas pessoais que desconhecemos, frustrações que não sentimos, traumas vividos que são muito particulares que não nos cabe julgar.

Uma boa conversa é benvinda? Claro que sim!

Uma boa dose de empatia? Sem dúvida nenhuma!

Mas a pessoa não vai mudar porque você quer que ela mude. Ela precisa querer!

Saiba que numa situação de crise de relacionamento, manter a calma e a firmeza comportamental de nossas ações é a mais importante e mais contundente ferramenta que temos.

Uma mudança deve acontecer de dentro para fora e, quando a pessoa não tem esse viés, simplesmente não se deixe levar pelas tentativas de desestabilização dela. Não entre em rodas de fofoca, não dê atenção aos olhares cheios de inveja, não responda com o mesmo tempero ácido das insinuações.

Não compre um monstro que não é seu!

Faça exatamente o contrário. Continue sorrindo e sendo gentil. Mantenha uma postura abnegada e participativa e mostre, através de seu exemplo, que sempre existe uma nova forma de se ver a vida.

As pessoas são más às vezes por não terem uma vivência partilhando de bons exemplos e, por isso, assumiram os valores ruins de um mundo inóspito e cruel, sendo que a única coisa que aprenderam a fazer foi criticar e colocar a culpa de sua infelicidade nas costas das outras pessoas.

Sei que é difícil, mas é preciso passar cola bastão nessas pessoas.

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Como ter sucesso no vestibular sem surtar

October 21, 2019

1/10
Please reload

Posts Recentes

June 24, 2019

May 15, 2019

May 8, 2019

April 24, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga
  • Instagram Social Icon
  • Facebook Basic Square

©2017 por Newton Camargo Jr.